Jovem Pan News FM 92.9

AO VIVO
COLUNA + ANÁLISE
Conheça os três modelos de capitalismo vigente no mundo atualmente
Para Branko Milanović, o mundo hoje possui três tipos de capitalismo, que coexistem de acordo com os países e com os continentes em que estão inseridos
IGOR LUCENA
Postado em 2 de fevereiro de 2021
Conheça os três modelos de capitalismo vigente no mundo atualmente
Conheça os três modelos de capitalismo vigente no mundo atualmente (Foto: Pexels)

Em sua mais recente obra, o economista Branko Milanović, professor da London School of Economics e um dos mais renomados estudiosos sobre desigualdade, demonstra como o capitalismo não é um sistema estático e como, ao longo do tempo, evoluiu e alterou características que impactam diretamente no desenvolvimento das sociedades e na desigualdade da população. Para Milanović, o mundo hoje possui três tipos de capitalismo, que coexistem de acordo com os países e com os continentes em que estão inseridos.

capitalismo clássico

“O primeiro é o capitalismo clássico, aquele no qual os trabalhadores têm sua renda apenas do trabalho, os capitalistas têm renda apenas do capital e todos os capitalistas são mais ricos do que todos os trabalhadores; isto é, as distribuições de renda dos trabalhadores e dos capitalistas não se sobrepõem. A redistribuição é mínima por meio de impostos e transferências. A desigualdade interpessoal é elevada, e as vantagens da riqueza são transmitidas de geração em geração. Tal modelo também é conhecido como capitalismo Ricardiano-Marxista.”

Capitalismo socialdemocrata

“Já o capitalismo socialdemocrata é aquele em que os trabalhadores têm sua renda apenas do trabalho e os capitalistas têm sua renda apenas do capital, mas nem todos os capitalistas são mais ricos que todos os trabalhadores. Há uma redistribuição significativa por meio do sistema de impostos e transferências, incluindo saúde pública gratuita ou acessível e Educação universal. Nesse modelo, a desigualdade interpessoal é moderada. O acesso é relativamente igual à Educação e permite a mobilidade de renda entre gerações.”

Capitalismo meritocrático liberal

“No Capitalismo meritocrático liberal, a maioria das pessoas obtém alguma renda do trabalho e do capital. A parcela da renda de capital aumenta com o nível de renda, de modo que os extremamente ricos têm principalmente renda de capital. Aqui, os mais ricos (digamos, os 5% mais ricos) também têm uma renda de trabalho substancial.

O aumento da participação do capital, à medida que as sociedades ficam mais ricas e há associação de altos rendimentos de capital e trabalho nos mesmos indivíduos, se traduzem em maior desigualdade interpessoal.

O sistema de impostos e transferências redistribui uma parte significativa da renda total, mas o separatismo social, pelo qual os ricos preferem investir em sistemas privados de Educação e saúde, torna-se mais importante. A mobilidade intergeracional é menor que no capitalismo socialdemocrata.”

Os modelos de capitalismo

É interessante analisar que o foco principal da evolução dos modelos de capitalismo ocorre sobre a dinamicidade de como a geração de renda e riqueza se altera em cada modelo e como a intervenção do Estado existe para diminuir desigualdades ou de alguma maneira promove a possibilidade de haver equidade entre as gerações em um longo prazo.

É importante lembrar que os rendimentos do capital e do trabalho têm de fato origens diferentes, mas o que efetivamente demonstra a evolução da riqueza nos diferentes modelos de capitalismo é a capacidade de combinar rendas do capital e do trabalho (altamente especializado) para a ampliação da riqueza.

Isso significa que, devido à evolução crescente da desigualdade, principalmente no Brasil, é muito provável que testemunhemos mais evoluções do capitalismo com modelos que serão capazes de melhor atender às necessidades humanas, isso sem interferir no “espírito animal” do capitalismo e na produção de riqueza para a humanidade. Que ocorra o melhor para nós brasileiros!

Leia também 

Mais textos da Coluna + Análise

Deixe seu comentário