Jovem Pan News FM 92.9

AO VIVO
COLUNA + ANÁLISE
Desigualdade: o dilema do capitalismo no século XXI
Com o capitalismo, vieram a abertura dos mercados e a globalização, a capacidade de produção de bens e serviços com insumos oriundos de diversos países sendo transportados em tempo real, conectando pessoas, empresas e projetos da América até a Ásia
IGOR LUCENA
Postado em 26 de janeiro de 2021
Desigualdade: o dilema do capitalismo no século XXI
Desigualdade: o dilema do capitalismo no século XXI (Foto: Pexels)

Não há dúvidas de que o sistema de produção capitalista foi o mais efetivo modelo de produção capaz de diminuir a pobreza na história da humanidade. O sucesso deste projeto econômico e social começou no final do mercantilismo e se disseminou pelo planeta com a Revolução Industrial. Apoiado por bases jurídicas e sociais do sistema democrático, do Estado de Direito, da propriedade privada e das Cartas Magnas, criaram-se, principalmente no ocidente, as condições para a expansão desse sistema como modo homogêneo de transação de bens, mercadorias, serviços e riqueza.

Após o fim da União Soviética e a queda do muro de Berlin, o capitalismo se consolidou em praticamente todos os continentes, com exceção de algumas nações que não têm considerável relevância a nível mundial. Até mesmo a China, uma nação autoritária, tem no capitalismo seu modelo de produção, considerado por muitos o mais radical entre todos.

Com o capitalismo, vieram a abertura dos mercados e a globalização, a capacidade de produção de bens e serviços com insumos oriundos de diversos países sendo transportados em tempo real, conectando pessoas, empresas e projetos da América até a Ásia.

A marca da desigualdade social

Como em todos os projetos, pode haver problemas que, no passado, foram quase fatais para o sistema capitalista, como ocorreu a partir da Crise da Bolsa de 1929, das Guerras Mundiais, da Crise de 2009 e, mais recentemente, a partir do que estamos vivendo, a pandemia causada pela Covid-19. Todas essas crises tiveram fontes diferentes e foram superadas com soluções muito distintas. O que todas têm em comum é que, após terem sido debeladas as crises, elas deixaram uma marca indelével que veio constantemente crescendo, a marca da desigualdade social.

A utilização da tecnologia foi outro fator que definitivamente aumentou a produtividade das empresas e expandiu a capacidade de o capitalismo ofertar bens e serviços a um nível mundial, mas por outro lado tornou menos importante a base menos escolarizada dos trabalhadores. A propriedade da riqueza (Ações, títulos, propriedades, empresas) entre as famílias nos Estados Unidos tornou-se cada vez mais e mais concentrada desde os anos 1980, quando os 10% mais ricos controlavam 68% da riqueza total; já em 2007, o percentual passou para 73% e, em 2017, para 81%.

Mas o que é desigualdade?

Segundo o Fundo Monetário Internacional, a desigualdade pode ser vista de diferentes perspectivas, porém todas estão relacionadas entre si. A medição comumente utilizada é a Desigualdade de Renda, que se refere à extensão em que a renda é distribuída uniformemente dentro de uma população.

Trata-se de conceitos relacionados relativos à desigualdade que existe ao longo da vida (desigualdade de renda para um indivíduo ao longo de sua vida), desigualdade de riqueza (distribuição de riqueza entre famílias ou indivíduos em um período no tempo) e desigualdade de oportunidade (impacto na renda das circunstâncias sobre as quais os indivíduos não têm controle, como situação socioeconômica familiar, de gênero ou de origem étnica).

Todos esses conceitos de desigualdade estão relacionados entre si e oferecem percepções diferentes, embora complementares, sobre as causas e as consequências da desigualdade, fornecendo assim uma melhor orientação aos Governos ao projetar políticas específicas destinadas a abordar o tema para decisões mais acertadas.

Esse fenômeno é muito mais nítido em países como o Brasil, onde as políticas públicas de combate à pobreza e à desigualdade existem e possuem muitos fundos, mas são pouco avaliados sob o ponto de vista de eficiência, gerando despesas públicas que são ineficazes, o que agrava ainda mais o problema.

Um problema do capitalismo

A desigualdade é algo que vem sendo considerado um problema do capitalismo para a esquerda há muito tempo, e muitas vezes isso vem sendo usado como “mote” para criticar o capitalismo, considerando-o um modelo ineficiente. Nesse ponto, a esquerda está errada! A desigualdade existe e é hoje o maior problema do capitalismo moderno, realmente colocando uma lupa sobre o sistema, mas não é o fim desse exitoso projeto.

Ao longo dos últimos 300 anos, o capitalismo teve outros problemas e viveu momentos de críticas tão sérios quanto esses, mas a capacidade de o sistema se adaptar e criar soluções que eliminem ou minimizem esses problemas é talvez a principal característica do capitalismo, pois, tal qual um ser vivo, ele se adapta para manter sua própria sobrevivência e sua reprodução.

Entretanto, ele não o faz sozinho. Para isso, o capitalismo conta com acadêmicos, empresários, economistas, estudiosos, políticos e parte da sociedade que compreende que o sistema não é perfeito, mas vem diminuindo a pobreza total em todo o planeta e por isso vale a pena defendê-lo; o problema da desigualdade tem que ser tratado hoje para evitar que ela, a desigualdade, se transforme em um problema social crônico e de governabilidade, ameaçando inclusive a democracia.

Leia também 

Mais textos da Coluna + Análise

Deixe seu comentário