Sudene investe R$ 230 mil na formação de profissionais para atuarem no mercado de energia renovável no Ceará | + Emprego | Portal GCMAIS

Jovem Pan News FM 92.9

AO VIVO
Coluna + Emprego
Sudene investe R$ 230 mil na formação de profissionais para atuarem no mercado de energia renovável no Ceará
Recursos serão utilizados para a oferta do curso de instalador de sistemas fotovoltaicos, em parceria com o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE). Meta é formar 70 profissionais.
Postado em 6 de janeiro de 2022
Sudene investe R$ 230 mil na formação de profissionais para atuarem no mercado de energia renovável no Ceará
A Sudene fechou parceria com o IFCE para oferecer formação profissional para trabalhadores locais atuarem no setor de energia no Ceará. A iniciativa buscar suprir a demanda do mercado e oferecer oportunidade de capacitação para pessoas em vulnerabilidade social da região do Cariri. Imagem: pexels

A Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste destinou R$ 230 mil para investir na formação profissional voltada ao setor de energias renováveis no estado do Ceará. Os recursos foram disponibilizados no último dia 30 ao Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do estado (IFCE) através de um termo de execução descentralizada (TED). A parceria entre as instituições viabiliza a oferta de um curso para capacitação e certificação de instaladores de sistemas fotovoltaicos.

O projeto é uma resposta da superintendência à identificação da necessidade de mão de obra qualificada para atender a demanda do mercado no Cariri cearense. De acordo com o Atlas Eólico e Solar do estado, a região sul do Ceará, que inclui o Cariri, tem capacidade aproximada de 2,38 mil quilômetros quadrados prontos para exploração de energia solar e eólica, totalizando 28,8 mil megawatts (MW) de capacidade instalável na área.

O curso terá 160h de carga horária, sendo oferecido na modalidade presencial pelo IFCE. Serão formados 70 novos profissionais, sendo metade no primeiro semestre de 2022 e outros 35 na segunda turma. A matriz curricular dispõe de dois módulos. O inicial, de nível básico, contempla as disciplinas de eletricidade básica, fundamentos de energia solar fotovoltaica e instalações elétricas. Na formação específica, os alunos participarão de aulas de tecnologia fotovoltaica, sistemas fotovoltaicos e montagem de sistemas. Ao final de cada turma, será realizado um workshop para proporcionar uma integração entre os estudantes e empresas da região.

Além de estimular o empreendedorismo associado às vocações econômicas locais, a oferta da qualificação pretende desenvolver a autonomia cidadã e a vivência para o mercado de trabalho no que diz respeito à formação inicial de pessoas em vulnerabilidade social da região do Cariri.

Atração de investimentos

Se por um lado, a Sudene investe na qualificação de mão de obra, por outro a autarquia fortalece a atração de investimentos para o Ceará. Em outubro de 2021, a superintendência aprovou o financiamento de R$ 422,9 milhões através do Fundo de Desenvolvimento do Nordeste para um complexo de produção de energia solar a ser instalado no município de Abaiara, também no Cariri cearense.

Os cinco parques que integram o complexo totalizam investimentos R$ 782,6 milhões e devem gerar cerca de 800 empregos diretos e 2 mil indiretos na fase de implantação. Quando estiverem em operação, a estimativa é de que sejam 10 postos de trabalho diretos e 30 indiretos.

Para o superintendente da Sudene, general Araújo Lima, tão importante quando aportar recursos para atrair projetos é o estímulo à formação de mão de obra local para dar novas oportunidades. “A Sudene hoje tem um foco muito voltado para infraestrutura, com recursos e outros atrativos para a área de geração de energia eólica e solar.  Mas isso de nada adiantará se não tivermos gente capacitada nos estados, a exemplo do Ceará e Rio Grande do Norte. Precisamos estimular localmente a capacitação de pessoas que entendam, operem e desenvolvam esse tipo de atividade. Isso representa para nós uma redução dos desníveis sociais, uma vez que podemos gerar empregos cuja força de trabalho é o próprio morador da região”, explicou.

Deixe seu comentário