O advento da transformação humana

Compartilhe:
30 de novembro de 2020
Jonas Viana
O advento da transformação humana

A Igreja Católica deu início no dia de ontem, domingo 29, um novo tempo litúrgico, chamado Advento. A palavra Advento quer dizer o que está para vir. Admitir a urgência de mudanças é um dos maiores desafios existenciais. É superar obstáculos que incluem o apego a garantias e confortos e a resistência ao novo.

Reconhecer a necessidade de promover transformações exige percorrer um longo caminho. Aqui, precisamos lembrar que o caminho se faz, caminhando! Diante das dificuldades, a tendência é resistir às mudanças nos processos existenciais, sociopolíticos e culturais, gera uma cadeia de prejuízos à sociedade. O ser humano é constantemente desafiado a compreender que as mudanças e as conquistas de novas etapas são uma exigência da vida.

Heráclito, um filósofo, diz que “nada é permanente, exceto a mudança”. Nesse horizonte, a celebração do Natal é a oportunidade para assumir o desafio de encontrar respostas novas, o que exige flexibilidade. Resiste-se a mudanças porque falta a coragem de compreender e enxergar um percurso diferente, capaz de dar rumo novo à vida, aos muitos processos que constituem responsabilidades pessoais e profissionais.

Falamos muito sobre encerrar ciclos, mas nem sempre estamos dispostos a encerrá-los, visto que, com eles, haverá a necessidade de viver recomeços. Percebe-se, assim, que o maior e mais preponderante obstáculo na resistência às mudanças é a mentalidade.

A flexibilidade e a disponibilidade para viver transformações é uma urgência. O advento, consequentemente, o Natal, apontam as possíveis mudanças que o ser humano precisa buscar, de modo engajado, como prática existencial. A encarnação do Verbo de Deus, Jesus Cristo, é a mais perfeita indicação de que a humanidade só avança quando se abre às essas reformulações necessárias.

O Mestre ensina cada pessoa a compreender-se como sujeito de mudanças, capaz de alcançar um estágio de desenvolvimento que somente o ser humano, no conjunto de toda a criação de Deus, pode alcançar. Essa lição é revelada na encarnação do Verbo, assumindo a condição humana, igual em tudo, exceto no pecado. E, se mudar o ser humano, muda o mundo, a vida, a história.

Estamos vivendo um ano em que os verbos mudar, adaptar e compreender não foram e não têm sido opcionais no que tange a vivência social do ser humano, inserido em um universo de imprevisibilidades. O advento nos traz com docilidade a oportunidade de uma revisão de vida pautada não somente nas adversidades, mas na possibilidade de aperfeiçoar o sentimento de resiliência tão acionado nesse ano.

Espero que você se permita viver esse momento de construção de um novo tempo, a partir da reconstrução dos saberes. Verdadeiramente, dizia a grande Mestra, Cora Coralina, só cresce, quem se permite avaliar!

Deus abençoe você!