Esporte

Veja quem foi Diego Maradona, maior ídolo do futebol argentino

Polêmico, o ex-jogador deixa um grande legado à nova geração

Compartilhe:
25 de novembro de 2020
Ninho Digital
Veja quem foi Diego Maradona, maior ídolo do futebol argentino
Ex-atleta morreu aos 60 anos de parada cardiorrespiratória

Com impacto em toda Argentina, devido a sua magnitude no futebol, morreu nesta quarta-feira (25), o ex-atleta da seleção Diego Maradona (60). Mesmo após se aposentar como jogador, não conseguiu deixar os gramados e atuou, desde 2008, como técnico em importantes clubes e até na seleção em que vestiu a camisa.

Na Copa de 1986, única em que atuou como jogador, Maradona fez 5 gols. Um deles ficou conhecido como “a mão de Deus”, por ter conseguido enganar o árbitro tunisiano Ali Bennaceur com um leve soco na bola nas quartas de final contra a Inglaterra. Em outra partida, driblou seis adversários e marcou o gol da vitória contra a Alemanha.

Infância

Maradona nasceu em outubro de 1960. Destacava-se desde pequeno nas peladas de rua nas periferias de Buenos Aires. Mais tarde, foi apresentado ao treinador, Francis Cornejo, das categorias de base do Argentinos Juniors. O técnico teve que pedir autorização dos pais do jovem argentino para que ele pudesse treinar.

Primeiros anos da carreira

A carreira rapidamente deslanchou e Diego Maradona passou a acumular admiradores. Entre 1976 e 1981 jogou pelo Argentinos, onde marcou 149 gols em 166 partidas. Ainda em 1981 foi emprestado ao Boca Juniors, clube de coração.
Aos 17 anos foi convocado pela seleção. Dois anos depois defendeu a seleção sub-20 (antes chamada de juniores) e conduziu o time ao título mundial da categoria, na Rússia. Apesar do sucesso meteórico, se frustrou por não ter sido convocado por Cesar Menotti para a Copa do Mundo de 1978.

Polêmicas

Diego Maradona chegou a ter um atrito com Joseph Blatter, então presidente da Fifa, a quem cumprimentou friamente em 1990, quando recebeu a premiação pelo 2º lugar no mundial. Disputou a Copa de 1994, mas foi suspenso no meio do campeonato, ao ser flagrado no teste antidoping. Na ocasião, negou ter se dopado e atribuiu a situação a uma cilada para manchar sua imagem.

Técnico

Mesmo após se aposentar como jogador, não conseguiu deixar os gramados e atuou, desde 2008, como técnico, acumulando passagens pelo Textil Mandiyú (1994); Racing (1995); Al Wasl (Emirados Árabes, 2011 e 2012); Al-Fujairah (Emirados Árabes, 2017 e 2018) e Dorados de Sinaloa, México, em 2018. Atualmente era o treinador do Gimnasia e Esgrima, na Argentina.

Uso de drogas

A dependência química marcou o final da brilhante trajetória de Diego Maradona. Desde que alcançou o sucesso nos campos, passou a utilizar drogas, principalmente cocaína, como um suporte para lidar com as dificuldades que a fama trazia. Após se internar em algumas ocasiões, decidiu se afastar do futebol.