Jovem Pan News FM 92.9

AO VIVO
NA MIRA DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
MPT abre investigação contra presidente da CBF por acusação de assédio sexual
Após denúncia, Rogério Caboclo foi afastado temporariamente do cargo por 30 dias.
AGÊNCIA BRASIL
Postado em 7 de junho de 2021
MPT abre investigação contra presidente da CBF por acusação de assédio sexual
Rogério Caboclo foi afastado do cargo em decisão anunciada neste domingo (6). Foto: CBF/Divulgação

O Ministério Público do Trabalho no Rio de Janeiro (MPT-RJ) informou nesta segunda-feira (7) que, na sexta-feira (4), determinou que fosse aberta investigação sobre uma acusação de assédio sexual cometida por Rogério Caboclo, presidente afastado da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). No domingo (6), o Comitê de Ética da entidade decidiu suspender o dirigente por 30 dias, com o vice-presidente Antônio Carlos Nunes de Lima, o Coronel Nunes, tomando posse interinamente.

>>>Siga o GCMAIS no Google Notícias<<<

Segundo nota do MPT-RJ, a denúncia foi distribuída ao procurador do Trabalho Artur de Azambuja Rodrigues, membro da Coordenadoria Regional de Promoção de Igualdade de Oportunidades e Eliminação da Discriminação no Trabalho (Coordigualdade). O comunicado afirma, também, que “violência e o assédio são práticas intoleráveis no ambiente de trabalho” de acordo com a Convenção 190 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), e que o “assédio sexual também está tipificado como crime no Art. 216-A do Código Penal”.

A CBF se manifestou no domingo. Em nota, a entidade diz que a decisão pelo afastamento de Caboclo “é sigilosa e o processo tramitará perante a referida comissão, com a finalidade de apurar a denúncia apresentada”. Nesta segunda, em entrevista ao canal ESPN, o dirigente afirmou ser inocente e não ter dúvidas de que retornará à presidência da confederação.

Ainda nesta segunda, o técnico da seleção brasileira, Tite, foi questionado sobre o afastamento de Caboclo. O treinador evitou entrar em detalhes sobre o assunto.

>>>Acompanhe o GCMAIS no YouTube<<<

“Eu compreendo a pergunta. Sabemos a dimensão que tem, a gravidade do caso, temos consciência disso, mas existe um Comitê de Ética da CBF que toma as devidas providências. Não é da nossa alçada”, resumiu Tite, em entrevista coletiva após o treino da seleção, que nesta terça-feira (8) enfrenta o Paraguai, no Estádio Defensores del Chaco, na capital paraguaia Assunção, pelas eliminatórias da Copa do Mundo de 2022, no Catar.

 

 


Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do GC+. Se achar algo que viole os termos de uso clique aqui para reportar.

  • João Matias Neto

    Quem diria,no futebol,um argentino ajudar a Seleção brasileira?Vivemos tempos estranhos.

Deixe seu comentário