Economia

Pecuária cearense mantém ritmo de crescimento em 2019

Em 2019, a pecuária cearense deve ter sido influenciada, entre outros fatores, pelo contexto internacional

Compartilhe:
17 de outubro de 2020
glaydson
Pecuária cearense mantém ritmo de crescimento em 2019
Foto: Divulgação

A Pesquisa da Pecuária Municipal – PPM fornece informações sobre os efetivos da pecuária existentes nos Municípios na data de referência do levantamento, 31 de dezembro, bem como sobre a produção de origem animal e o seu respectivo valor no ano em questão.

Em 2019, a pecuária cearense deve ter sido influenciada, entre outros fatores, pelo contexto internacional. Com baixa no estoque de carne suína, consequência da peste que acometeu a espécie, e um mercado interno em expansão, a China precisou suprir a sua demanda interna por meio da importação de proteína animal. Somente do Brasil, esse país adquiriu 497,7 mil toneladas de carne bovina, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior – Secex, representando uma alta de 54,4% em relação ao ano anterior, e a sua importação de carne suína aumentou em 61,7%, o que fez o Brasil alcançar a marca de 244,1 mil toneladas exportadas dessa commodity.

Observou-se elevação em 3,2% do rebanho bovino estadual, segundo ano consecutivo de alta após queda em 2017. O município de Jucás, apresentou aumento de 26,7% de seu plantel, Brejo Santo com um acréscimo de 18,7%, seguido por Morada Nova com 10,4%, contribuíram para o aumento.

Quixeramobim e Morada Nova mantiveram os postos de maiores rebanhos bovinos cearenses e, juntos, foram responsáveis por 6,8% do efetivo estadual. Quixeramobim elevou seu efetivo em 2,1%, totalizando 87 mil cabeças.