Notícias

Renato Roseno defende criação de renda básica para famílias de baixa renda

Candidato do PSOL apresentou suas principais propostas no Ceará no Ar

Compartilhe:
21 de outubro de 2020
Teste
Renato Roseno defende criação de renda básica para famílias de baixa renda
Foto: Kamila Loiola

O jornal Ceará no Ar recebeu o deputado estadual Renato Roseno (PSOL) para a série de entrevistas com os candidatos à prefeitura de Fortaleza. Com pouco tempo de TV e rádio, Renato iniciou seus 15 minutos agradecendo o espaço cedido pela TV Cidade: “É muito importante esse tipo de espaço, inclusive a TV Cidade é a única emissora a confirmar o debate entre os candidatos. Eu sei que há um cuidado por causa da pandemia, mas resguardando os cuidados básicos, é necessário que as grandes emissoras não abram mão de debate”, frisou.

Entre suas principais propostas, Renato ressaltou que pretende criar a Renda Básica para as famílias de baixa renda, seria uma espécie de Bolsa Família do fortalezense. “A ideia de renda básica para as pessoas mais pobres. O governo e a prefeitura podem sim fazer isso. É possível e é urgente. Nós fizemos um cálculo e entre 1,5% e 1,7% do que é arrecadado pela prefeitura poderia sim beneficiar 20 mil famílias pobres no primeiro ano de mandado”.

Sobre sua oposição a Jair Bolsonaro, Renato garantiu que terá um bom diálogo com o Governo Federal caso seja eleito. “Eu sou um democrata. Sendo prefeito da 5ª capital do país eu tenho que me comportar como prefeito da 5ª maior capital do país, por isso terei que dialogar com o presidente, com os ministros. Temos que garantir o direito do fortalezense a uma vida digna”.

Renato também falou sobre suas políticas voltadas para a causa LGBTI. “Eu apresentei um programa com 101 páginas para esse público. Nós temos uma proposta de combate ao racismo e a LGBTfobia. Nós precisamos enfrentar o preconceito com educação. Desde os primeiros anos de escola é preciso conversar com as crianças a aceitar as diferenças. A sociedade de Fortaleza não é reacionária, ela é aberta e se abrir pras diferenças é aceitar o outro e só assim teremos um mundo melhor. Isso é feito na educação, no Centro de Referência para atender as pessoas que sofrem esse tipo de discriminação e na inclusão com qualificação profissional”, ressaltou.

O deputado encerrou sua participação falando que seu governo será de prevenção social. “A nossa prefeitura sabe onde as pessoas morrem, então é necessário chegar antes da bala. Isso é prevenção social. O papel da prefeitura não é investir em repressão. Nós temos que garantir esporte e lazer”, finalizou.

A entrevista completa você pode conferir no vídeo: