Notícias

Conheça as propostas de Capitão Wagner para Fortaleza

Candidato disputa 2º turno contra Sarto, do PDT

Compartilhe:
16 de novembro de 2020
Ninho Digital
Conheça as propostas de Capitão Wagner para Fortaleza
Capitão Wagner e Kamila Cardoso, no bairro João XXIII

O GC+ conferiu o plano de governo de Capitão Wagner (PROS) registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O militar disputa o 2º turno da eleição municipal contra Sarto (PDT). Confira algumas propostas do candidato para o município de Fortaleza.

Segurança

Treinar, equipar e armar toda a Guarda Municipal. Descentralizar as ações da Guarda Municipal de Fortaleza (GMF) em Inspetorias Regionais (uma por Regional), criando um plano de segurança para cada Regional, conforme as peculiaridades de cada bairro; Otimizar o uso das “Torres de Segurança” integrando e ampliando o serviço de videomonitoramento com os demais equipamentos públicos da região; Garantir o policiamento, por guardas municipais, das principais praças, parques, lagoas e de toda orla marítima de Fortaleza.

Criação do programa Nova Saúde Fortaleza (NSF)

O serviço é baseado nas melhorias operacionais e na relação entre a Prefeitura e os usuários da rede municipal do Sistema Único de Saúde (SUS). Ele atuará “na eliminação dos principais gargalos que tornam, ainda nos dias atuais, o atendimento à saúde ineficiente, caro e não integrado”, diz o documento.

Sistema de ensino

“Adoção de um novo sistema de ensino, que possibilite ao aluno da escola pública municipal, o acesso ao mesmo nível de qualidade de material e de conteúdo ministrado nas melhores redes de ensino do país, atendendo as diretrizes e bases nacionais, com foco na excelência e nos resultados”.

Assistência Social

Criação da Secretaria Municipal de Proteção e Assistência Social, com atribuições inerentes à cidadania, aos direitos sociais e humanos, a proteção e garantia dos direitos da família, da mulher, da criança, do adolescente e do idoso.

Fortalecimento dos Conselhos Tutelares

De acordo com o projeto de Wagner, a ideia é garantir a infraestrutura e os meios materiais para que os conselheiros possam desenvolver as suas atribuições, como organismo de defesa e garantia dos direitos das crianças e adolescentes.