Notícias

Cientistas cearenses produzem anticorpo contra câncer com leite de caprinos

Estudo realizado na Unifor é alternativa para tratamento da doença

Compartilhe:
28 de novembro de 2020
Ninho Digital
Cientistas cearenses produzem anticorpo contra câncer com leite de caprinos
Foto: Ares Soares / Divulgação

O Brasil é o 7º maior mercado farmacêutico do mundo, segundo o Conselho Federal de Farmácia (CFF). Ainda assim, é dependente da importação de insumos e tecnologia no setor. Mais de 90% dos medicamentos acabados e princípios ativos são trazidos de fora. O anticorpo anti-VEGF, por exemplo, utilizado para o tratamento de diversos tipos de câncer (pulmão, ovários e cólon), é totalmente importado.

Um estudo cearense identificou alta concentração do anticorpo monoclonal anti-VEGF produzido no leite de caprinos geneticamente modificados. Os animais estão produzindo em média 3,8 gramas do anticorpo por litro de leite, o que corresponde a 9,5 frascos. Assim, a produção do medicamento é uma alternativa para o tratamento da doença.

Leia mais | Novembro Azul alerta para o diagnóstico precoce do câncer de próstata

Barreiras distanciam população trans da prevenção ao câncer de mama

Amamentação reduz risco para câncer de mama

Leonardo Tondello, do Núcleo de Biologia Experimental (Nubex) da Universidade de Fortaleza (Unifor) – onde a pesquisa é realizada – afirmou que a cabra transgênica produz diariamente anti-VEGF suficiente para o tratamento de até 60 pacientes. Além da alta produção, o custo é mais barato.

Baixa rejeição

Os pesquisadores identificaram que o composto possui estrutura semelhante aos anticorpos encontrados em seres humanos. Isso representa, para os envolvidos, uma baixa rejeição pelo organismo humano.

“Quando se fala em biofármacos, sempre há preocupação com o índice de rejeição. Vários produtos que estão no mercado causam certo grau de rejeição, ocasionando algum grau de reação imune nos pacientes. Mesmo assim, são comercializados porque o efeito terapêutico deles compensa”, detalhou Tondello.

Os estudos ainda analisaram a eficácia e a atividade do anticorpo. Para tanto, os cientistas realizaram testes em camundongos com câncer de pulmão. Os animais tratados com o leite tiveram uma redução significativa no tamanho dos tumores.