Após 2 anos, manchas de óleo ainda são encontradas em praias do Ceará | Portal GCMAIS

Jovem Pan News FM 92.9

AO VIVO
MISTÉRIO NO LITORAL
Após 2 anos, manchas de óleo ainda são encontradas em praias do Ceará
No estado, o volume de material, somando petróleo cru e areia, chega a quase 40 toneladas
REDAÇÃO GCMAIS E CARLOS HENRIQUE COSTA
Postado em 27 de setembro de 2021
Após 2 anos, manchas de óleo ainda são encontradas em praias do Ceará
Foto: Reprodução TV Cidade

Os reflexos do derramamento de óleo no Nordeste, ocorrido em 2019, ainda podem ser vistos no Ceará. Após dois anos, as manchas derramadas por navios no litoral brasileiro ainda são encontradas nas praias cearenses.

>>Siga o GCMAIS no Google Notícias<<<

A praia da Sabiaguaba foi um dos locais onde o óleo foi encontrado 2 anos depois do desastre. Os pesquisadores acreditam que existe uma grande quantidade de resíduos enterrados e presos em rochas. O que preocupa é que boa parte deste material passou por fragmentação, não sendo mais observado a olho nu.

No Ceará, o volume de material, somando petróleo cru e areia, chega a quase 40 toneladas. Já a cidade de Caucaia, na região metropolitana de Fortaleza, registrou manchas em mais de 100 localidades.

Um navio petroleiro grego, provavelmente oriundo da Venezuela, teria derramado o material. Até hoje, a investigação não foi concluída, assim como os resíduos não deixaram de aparecer. Registros já foram feitos em Canoa Quebrada, Iguape e na foz do Rio Jaguaribe.

Para a coordenadora-geral de Emergências Ambientais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Fernanda Cunha Pirillo, houve crime por omissão do poluidor.

A CPI do Óleo, na Câmara dos Deputados, destinada a investigar as causas do derramamento, foi encerrada sem que fosse votado o requerimento que propunha a prorrogação do prazo de funcionamento.

Leia também | Mercado imobiliário do Ceará segue aquecido mesmo com altas da Selic, apontam especialistas

Acompanhe a reportagem da TV Cidade Fortaleza, com Carlos Henrique Costa:

>>>Acompanhe o GCMAIS no YouTube<<<


Deixe seu comentário