Hora do suco de maracujá: preço da fruta tem queda de 28,6% na Ceasa Cariri | Portal GCMAIS

Jovem Pan News FM 92.9

AO VIVO
REDUÇÃO DE PREÇO
Hora do suco de maracujá: preço da fruta tem queda de 28,6% na Ceasa Cariri
Também tiveram queda no preço o abacate grande, a acerola e a tangerina ponkan
REDAÇÃO GCMAIS
Postado em 13 de janeiro de 2022
Hora do suco de maracujá: preço da fruta tem queda de 28,6% na Ceasa Cariri
Foto: Thiara Montefusco/Governo do Ceará

O preço do maracujá teve queda de 28,6% entre as semanas de 13 de dezembro de 2021 e 10 de janeiro de 2022, saindo de R$ 4,20 para R$ 3,00/kg no atacado. Também tiveram queda no preço o abacate grande, a acerola e a tangerina ponkan.

>>>Siga o GCMAIS no Google Notícias<<<

Porém, no mesmo período algumas frutas apresentaram elevações nos preços, como é o caso da manga Tommy, por exemplo, que aumentou 60%, saltando de R$ 2,00 para R$ 3,20/kg, da tangerina murkot pequena, de R$ 2,80 para R$ 4,00/kg, tangerina murkot grande, de R$ 4,00 para R$ 5,20/kg e a pera importada, saindo de R$ 10,00 para R$ 11,60/kg.

No setor das hortaliças, as maiores quedas de preços registradas no período foram para a abóbora de leite, feijão verde, pimentão de primeira e a cebola roxa.

Já as maiores altas registradas foram no preço do tomate – modalidades cajá, hm primeira, chanti – tomate cereja, cenoura especial e a cenoura extra, saindo de R$ 3,00 para R$ 5,00/kg.

Segundo Odálio Girão, analista de mercado das Centrais de Abastecimento do Ceará (Ceasa-CE), o maracujá tem queda de preço no Cariri principalmente pelas boas colheitas da produção local.

“Dentre os municípios que se destacam com oferta boa no mercado de Barbalha, podemos citar Jardim, Porteiras e Juazeiro do Norte. A região de Brejo Santo também produz muito maracujá, bem como Penaforte, Mauriti e Várzea Alegre. Podemos citar também o ingresso do fruto vindo de outros estados como Bahia e Pernambuco, fazendo com que o preço do maracujá declinasse nesse período,” explica Girão.

Ainda segundo Girão, com o tomate acontece o inverso. Ele explica que o produto aumentou de preço devido às fortes chuvas na região produtora de tomate, principalmente nos estados da Bahia, em Irecê, e Minas Gerais, em São Gotardo e também boa parte do Ceará, cuja produção abastece o mercado local.

“Não deu para o tomate se segurar com preço acessível para o consumidor e ele se tornou o produto que mais tem subido de preço nos últimos meses, também por conta da redução da oferta dos municípios cearenses de Guaraciaba do Norte, Ipu, Aratuba e Itapiúna e até o tomate vindo do sertão, no caso de Quixeramobim,” destaca ele.

Leia também | Má alimentação e uso indiscriminado de polivitamínicos prejudicam imunidade; alerta especialista

>>Acompanhe o GCMAIS no YouTube<<<


Deixe seu comentário