Izolda Cela rebate fake news sobre aumento na conta de energia no Ceará: 'Mentem!' | Portal GCMAIS

Jovem Pan News FM 92.9

AO VIVO
FAKE NEWS
Izolda Cela rebate fake news sobre aumento na conta de energia no Ceará: ‘Mentem!’
O aumento tarifário anual médio aprovado foi de 24,88%; novo valor entrou em vigor no Estado no dia 22 de abril
REDAÇÃO GCMAIS
Postado em 28 de abril de 2022
Izolda Cela rebate fake news sobre aumento na conta de energia no Ceará: ‘Mentem!’
Foto: Ascom/Vice-governadoria

A governadora do Ceará, Izolda Cela (PDT), usou as redes sociais, nesta quarta-feira (28), para rebater fake news (notícias falsas) sobre o aumento da conta de energia elétrica no estado. Segundo a gestora, as mensagens divulgadas atribuem o reajuste ao governo estadual No entanto, a elevação no preço foi divulgada pela Enel Distribuição e autorizada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL).

>>>Siga o GCMAIS no Google Notícias<<<

“Os desonestos das Fake News nas redes não param de agir. Agora espalham mensagem atribuindo a mim aumento de 24,85% da Enel. Mentem! Enel, empresa privada, aumentou autorizada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), ligada ao Governo Federal”, disse a governadora.

Izolda Cela rebate fake news

Leia também | Contas de energia no Ceará terão reajuste de quase 25%; aumento é o maior em nove anos

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) definiu, na última semana, o valor do reajuste que vai ser aplicado às contas da Enel no Ceará. O aumento tarifário anual médio aprovado foi de 24,88%. O novo valor entrou em vigor no Estado no dia 22 de abril.

No ano passado, o reajuste médio foi de 8,95% no Ceará, sendo 8,54%  para os clientes de baixa tensão e de 10,21% para clientes de média e alta tensão, como indústrias e grandes comércios.

Além do reajuste no Ceará, também foi definido o novo valor cobrado pela Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia (Coelba) e pela Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern).

No Rio de Janeiro, o aumento médio aprovado foi de 14,68%, chegando, para o consumidor residencial, a 15,53%.

>>>Acompanhe o GCMAIS no YouTube<<<

Deixe seu comentário