Casos de chikungunya crescem em Fortaleza; Doença é considerada surto na capital | Portal GCMAIS

Jovem Pan News FM 92.9

AO VIVO
AEDES AEGYPTI
Casos de chikungunya crescem em Fortaleza; Doença é considerada surto na capital
Em comparação com os quatro primeiros meses de 2021, o número de casos de chikungunya cresceu 6 vezes.
Redação GCMAIS
Postado em 2 de maio de 2022
Casos de chikungunya crescem em Fortaleza; Doença é considerada surto na capital
Foto: Agência Brasil

Nos primeiros quatro meses de 2022, o número de casos de chikungunya em Fortaleza já é seis vezes maior que o número registrado no mesmo período do ano passado. Os dados são da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). Segundo o órgão, neste ano, até abril, Fortaleza registrou 1.061 casos da doença. De janeiro a abril de 2021, foram registrados 184 casos.

>>>Siga o GCMAIS no Google Notícias<<<

A SMS informa que os casos foram contabilizados em 81 bairros da capital cearense, sendo o bairro José Walter o que lidera o ranking de casos em Fortaleza, com cerca de 20% de todos os casos registrados, com 244 registros.

De acordo com o diretor da célula de Vigilância Ambiental e de Riscos Biológicos, Atualpa Soares, as regionais cinco e seis concentram a maior parte dos casos. A prefeitura informou que vem realizando ações pontuais nessas duas regionais para evitar a propagação da chikungunya, que já é considerada um surto em Fortaleza.

“No momento como esse o combate é feito com um contingente maior nos bairros. No Bairro José Walter nós já estamos nos últimos dias com uma equipe com ações específicas por lá. Que são primeiro mobilização e educação social conversando com a população. Como também ir nos locais de alto fluxo, visitar e dar uma intensidade de vistas de domicílio e encontrando imóveis positivos. Eliminar os focos, tratar o foco encontrado e quando achar uma pessoa suspeita que não foi ao sistema de saúde encaminhá-la e alertar o sistema de saúde já que aquele domicílio pode disseminar a doença”, afirma Atualpa.

Leia também | Mais de 70% dos casos de Chikungunya de Fortaleza se concentram em apenas 7 bairros; saiba quais

O secretário informou ainda que a população é aliada na erradicação dos focos do mosquito Aedes aegypti, causador da doença.

“80% dos focos estão nas residências, por isso a importância da vistoria dele. A população pode contribuir também. Uma vez por semana você pode olhar pontos estratégicos em sua casa como a aparadeira de água da geladeira, bebedouro eletrônico, banheiro desativado, uma pia, um ralo, sempre checar as cisternas ou qualquer outra coisa que acumule água”, disse.

>>>Acompanhe o GCMAIS no YouTube<<<

Deixe seu comentário