Maternidade-Escola reduz atendimento com superlotação e infecção de bebês em Fortaleza | Portal GCMAIS

Jovem Pan News FM 92.9

AO VIVO
SUPERLOTAÇÃO
Maternidade-Escola reduz atendimento com superlotação e infecção de bebês em Fortaleza
Uma bactéria denominada Clostridium difficile tem provocado um quadro diarreico em parte desses pacientes
REDAÇÃO GCMAIS
Postado em 26 de maio de 2022
Maternidade-Escola reduz atendimento com superlotação e infecção de bebês em Fortaleza
Foto: Divulgação

A Maternidade-Escola Assis Chateaubriand (Meac) anunciou, esta semana, a redução da capacidade de atendimento em Fortaleza devido à superlotação e ao surto de infecções em bebês na unidade. Atualmente, 27 bebês estão internados nas Unidades de Terapia Intensiva Neonatal, que só suportam 21 prematuros. Uma bactéria denominada Clostridium difficile tem provocado um quadro diarreico em parte desses pacientes.

>>>Siga o GCMAIS no Google Notícias<<<

Conforme a direção, a Maternidade-Escola está com cerca de 150% de ocupação. Segundo a unidade, a restrição à entrada de novos pacientes é uma forma de frear a contaminação.

A Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) informou, em nota, que está ampliando leitos de UTI Neonatal nas unidades de saúde da Rede Estadual. A pasta complementou informando que “situações externas impactaram no aumento na fila de regulação de leitos de UTI Neonatal. Entretanto, a Rede Sesa se empenha para garantir o atendimento aos pacientes, dentro de sua capacidade”, disse trecho da nota.

Maternidade-Escola reduz atendimento com superlotação e infecção de bebês

Veja a nota emitida pela Maternidade-Escola, na íntegra:

“A Maternidade-Escola Assis Chateaubriand vem há muito tempo atendendo a um número de recém-nascidos bem acima da sua capacidade, chegando a 150% da sua ocupação. Por isso, desde setembro de 2021 as autoridades locais, como as secretarias de saúde do Estado e de Fortaleza, o Conselho Regional de Medicina e o Ministério Público Federal estão sendo permanentemente informadas da situação de superlotação e uma série de audiências têm sido realizadas, ainda sem providências definitivas.

Como é de amplo conhecimento, a MEAC é referência em gestação de alto risco e parto prematuro, o que amplia a chance do bebê precisar de internação em UTI.

Nesse momento, além do excesso de pacientes, a MEAC vivencia um surto de infecção em três das suas unidades neonatais, com quadro diarreico em recém-nascidos.

Infelizmente, nestas condições, a Maternidade encontra-se impossibilitada de prestar assistência a mais recém-nascidos prematuros que necessitem de internamento nas unidades neonatais, até que se controle o processo infeccioso.

Diante destes fatos, a Gerência de Atenção à Saúde da MEAC e a Superintendência do Complexo Hospitalar da UFC/Ebserh, após acordo com a Secretaria de Saúde do Município de Fortaleza, resolvem que a MEAC prestará assistência de Emergência apenas às mulheres REGULADAS pela central de leitos, nas seguintes situações:

Gestantes com idade gestacional acima de 37 semanas.

Gestantes com idade gestacional abaixo de 20 semanas.

Emergências ginecológicas.

A Maternidade não está medindo esforços para regularizar o atendimento o mais rápido possível, com a excelência no ensino e na assistência que sempre marcou sua história.”

Leia também | Alunos da rede municipal receberão vacina contra a Covid-19 nas escolas de Fortaleza

>>>Acompanhe o GCMAIS no YouTube<<<


Deixe seu comentário