FORTALEZA

Pacientes estão com dificuldade de encontrar remédios e testes para síndromes gripais

A elevação dos casos dessas síndromes tem levado muitas pessoas às unidades de saúde da Capital

Compartilhe:
19 de abril de 2024
Portal GCMAIS

Em algumas localidades de Fortaleza, pacientes estão tendo dificuldades para encontrar remédios e até mesmo testes ligados às síndromes gripais. A elevação dos casos dessas síndromes tem levado muitas pessoas às unidades de saúde da Capital, mas a escassez de medicamentos tem geração insatisfação.

>>>Acompanhe o GCMAIS no YouTube<<<

“É histórico que no período de chove mais, nós temos um aumento de casos de síndromes gripais, não necessariamente por causa das chuvas, mas principalmente pelas aglomerações”, explica a médica Louise Tahim.

Em uma unidade de saúde localizada no Conjunto Ceará, por exemplo, os atendimentos são realizados conforme o quadro clínico de cada paciente buscando diferenciar as doenças.

“A gente vai definir se eles precisam fazer a diferenciação qual é o vírus causador daquela síndrome gripal ou se caso os sintomas sejam mais leves o paciente vai receber uma prescrição de sintomáticos, medicação de suporte e orientações. Quando os sintomas são mais graves, tem indicação de internação ou de algum procedimento um pouco mais elaborado , nós fazemos a coleta dos exames do painel viral respiratório que é enviado pro Lacem”, esclarece a médica Louise.

Se por um lado,  a demanda de pessoas com síndromes gripais tem aumentado nas unidades de saúde, essa busca tem refletido de forma direta na procura por medicamentos.  “Nós temos notado essa procura maior principalmente aí nos últimos 20 dias. O abastecimento tem sido frequente para que justamente não falte”, afirma a farmacêutica, Lucíola Bandeira

Devido a demanda, algumas pessoas já relatam a falta dos insumos. Apesar de ser indicado para o tratamento, os especialistas orientam que o uso do Tamiflu seja realizado de forma adequada.

“Infecções que não são causadas por Influenza como as causadas pelo coronavírus, por rinovírus, não vão ser tratadas pelo Tamiflu. Outra coisa importante  é que nem todo paciente vai precisar de Tamifflu. Somente o paciente que tem sintomas graves”, reforça a médica Louise Tahim.

De acordo a Secretaria Municipal de Saúde de Fortaleza, de janeiro a abril deste ano já foram realizados mais de de 25 mil atendimentos a pessoas com sintomas de síndrome gripal, sendo 9.690 crianças de 0 a 12 anos. A orientação é que a população busque os 118 postos de saúde espalhados pelo município para tratamento.

Leia também | Imagens mostram suspeito de matar policial, após tentativa de assalto

WhatsApp do GCMais

NOTÍCIAS DO GCMAIS NO SEU WHATSAPP!

Últimas notícias de Fortaleza, Ceará e Brasil

Lembre-se: as regras de privacidade dos grupos são definidas pelo Whatsapp.