Jovem Pan News FM 92.9

AO VIVO
VIOLAÇÃO SEXUAL
João de Deus recebe nova condenação e acumula pena de 64 anos de prisão
A nova condenação diz respeito a um processo que envolvia dez vítimas apresentadas pelo Ministério Público do estado de Goiás
REDAÇÃO GCMAIS
Postado em 25 de maio de 2021
João de Deus recebe nova condenação e acumula pena de 64 anos de prisão
O médium João de Deus foi condenado em decisão da comarca de Abadiânia. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil.

O líder religioso João Teixeira de Faria, o João de Deus, foi condenado nesta terça-feira (25) pelo Tribunal de Justiça de Goiás a mais dois anos e seis meses de reclusão por violação sexual mediante fraude. Com essa decisão, que foi proferida pelo juiz Renato César Dorta Pinheiro, titular da comarca de Abadiânia-GO, as penas impostas a João de Deus já ultrapassam 64 anos.

A nova condenação diz respeito a um processo que envolvia dez vítimas apresentadas pelo Ministério Público do estado de Goiás, mas a Justiça rejeitou a acusação em relação a nove delas e o processo seguiu com apenas uma.

>>>Siga o GCMAIS no Google Notícias<<<

João de Deus responde a mais de uma dezena de ações ainda não sentenciadas. O médium já foi condenado estupros contra cinco mulheres (40 anos em regime fechado), violação sexual mediante fraude contra duas mulheres e estupro de vulnerável contra outras duas (19 anos e quatro meses em regime fechado) e porte ilegal de armas (quatro anos em regime aberto).

Recursos

Todas as condenações que pesam sobre João de Deus estão em fase de recurso no Tribunal de Justiça do Estado de Goiás. O médium nega as acusações de abuso sexual.

>>>Acompanhe o GCMAIS no YouTube<<<

Regime domiciliar

O líder religioso João de Deus ficou preso entre dezembro de 2018 e março de 2020 no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, na região metropolitana da capital, mas deixou o presídio para cumprir pena em regime domiciliar por pertencer ao grupo de risco em caso de contágio pela covid-19. Desde então, é obrigado a usar tornozeleira eletrônica e está proibido de manter contato com testemunhas e vítimas.

Com informações do R7


Deixe seu comentário