Diante do avanço de novas cepas, ministro da Saúde diz que variante Delta está sendo monitorada | Portal GCMAIS

Jovem Pan News FM 92.9

AO VIVO
COVID-19
Diante do avanço de novas cepas, ministro da Saúde diz que variante Delta está sendo monitorada
Cepa do novo coronavírus já está em circulação no Brasil
AGÊNCIA BRASIL
Postado em 22 de julho de 2021
Diante do avanço de novas cepas, ministro da Saúde diz que variante Delta está sendo monitorada
Marcelo Queiroga disse que os casos de cepa estão sendo avaliados com critério. Foto: Agência Brasil

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse nesta quinta-feira (22) que o ministério está monitorando a variante Delta da covid-19 e que é necessário haver um isolamento desses casos, ao mesmo tempo em que se avança no processo de vacinação em massa da população.

>>>Siga o GCMAIS no Google Notícias<<<

“O monitoramento não é nada diferente do que se fez desde o princípio. A vigilância genômica é o que permite diagnosticar qualquer variante, não somente a Delta. Já temos alguns casos identificados aqui no Brasil e o que precisamos fazer é isolar, não só aqueles que têm a variante Delta, mas que tenham outras formas do vírus, e avançar a campanha de vacinação”, disse o ministro.

Leia mais | Brasil já tem 135 casos da variante Delta do novo coronavírus em circulação no País

Queiroga passou o dia no Rio de Janeiro, onde visitou hospitais e um posto de saúde. Em conversa com jornalistas, o ministro foi questionado se enviaria mais doses para estados e capitais que hoje estão atrasados na cobertura vacinal.

“O ministério tem enviado doses cada vez em volumes crescentes. A estimativa é que, no mês de setembro, toda população acima de 18 anos já tenha recebido a primeira dose e 50% recebido a segunda dose. Com certeza, até o final do ano, toda a população acima de 18 anos terá recebido as duas doses da vacina”, destacou.

>>>Acompanhe o GCMAIS no YouTube<<<

Segundo o ministro, outros grupos estão em análise para inclusão no Programa Nacional de Imunização (PNI), como os adolescentes: “Essas decisões não são do ministro, são tomadas no âmbito técnico do PNI. Alguns aspectos epidemiológicos são considerados, como o surgimento de variantes, como reforçamos agora em regiões de fronteiras, para criar uma proteção epidemiológica para que eventuais variantes não se tornem de transmissão comunitária no Brasil”.


Deixe seu comentário