Operação cumpre mandado de prisão contra PM apontado como líder de organização criminosa | Portal GCMAIS

Jovem Pan News FM 92.9

AO VIVO
OPERAÇÃO GÊNESIS
Operação cumpre mandado de prisão contra PM apontado como líder de organização criminosa
A investigação indica que o grupo realizava tortura contra traficantes para extorquir dinheiro deles. Outros seis policias foram afastados
REDAÇÃO GCMAIS
Postado em 20 de julho de 2021
Operação cumpre mandado de prisão contra PM apontado como líder de organização criminosa
Foto: Divulgação / MPCE

Na manhã desta terça-feira (20), o Ministério Pùblico do Estado do Ceará (MPCE) deflagrou a quarta fase da Operação Gênesis, que visa desarticular uma organização criminosa formada e liderada por agentes da segurança pública. Por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (GAECO), esta fase cumpre um mandado de prisão contra um policial militar que é apontado como líder da organização.

Leia também | Inscrições para concurso da Polícia Civil do Ceará são prorrogadas até o dia 2 de agosto

Além desta prisão, os agentes do GAECO cumprem 12 mandados de busca e apreensão, seis de condução coercitivas de agentes de segurança e medidas cautelares de afastamento das funções de seis policiais.

Os alvos desta fase da Operação Gênesis são sete policiais militares da ativa, um policial civil da ativa e quatro integrantes que atuariam como informantes da organização criminosa. Eles são investigados pelos crimes de extorsão, tortura, comércio ilegal de arma de fogo, corrupção ativa, além de organização criminosa.

>>Siga o GCMAIS no Google Notícias<<

Segundo as investigações do Ministério Público, a organização criminosa realizava extorsão e tortura contra traficantes. Estas vítimas eram escolhidas cuidadosamente, usando os dados do sistema de informações da Polícia. Os informantes selecionavam pessoas envolvidas com crimes e que tivessem alto poder aquisitivo, o que facilitava a realização das exigências da organização.

Leia também | Suspeito de roubo utiliza criança de dois anos para despistar ação policial

Após passarem esses dados para o policial militar que liderava este grupo, o alvo era monitorado através dos sistemas usados pela segurança pública. Posteriormente, os agentes de segurança que faziam parte da organização criminosa abordavam o traficante e, através de torturas, faziam com que eles apontassem os esconderijos de drogas e dinheiro ilegal. Com estas informações, as vítimas ficavam com uma “dívida” com os policiais e precisavam pagar um determinado valor para a organização, garantindo que eles não seriam presos.

As investigações apontam, ainda, que o policial militar que é indicado como líder do grupo criminoso tinha a prática de apresentar atestados médicos para ser afastado do trabalho e ter mais tempo livre para realizar estas atividades ilícitas.

Leia também | Operação Gênesis: policiais escoltavam cargas de drogas e alertavam traficantes sobre ações da PM

>>>Acompanhe o GCMAIS no YouTube<<<


Deixe seu comentário