Saiba quais os sintomas da doença da urina preta | Portal GCMAIS

Jovem Pan News FM 92.9

AO VIVO
CEARÁ
Saiba quais os sintomas da doença da urina preta
Em caso de sintomas, a recomendação é procurar uma unidade de saúde para atendimento
REDAÇÃO GCMAIS
Postado em 14 de setembro de 2021
Saiba quais os sintomas da doença da urina preta
Foto: Arquivo

A Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) investiga no Estado casos suspeitos da síndrome de Haff, mais conhecida como “doença da urina preta”, comumente relacionada a uma toxina presente em determinados peixes e crustáceos. Os casos foram registrados em Fortaleza.

Fique atento: se após consumir peixe e, no intervalo de 2h a 24h, apresentar dores musculares que começam na região cervical (atrás do pescoço); fortes cãibras nos ombros, braços e pernas; enjoo e vômito; urina de cor escura.

>>>Siga o GCMAIS no Google Notícias<<<

Nessas situações, a recomendação é procurar uma unidade de saúde para atendimento. Em alguns estados, inclusive, em que houve casos notificados da doença (Amazonas, Pará, Ceará e Bahia) aa orientação foi não consumir temporariamente os seguintes peixes:

  • Piraptinga;
  • Pacu;
  • Tambaqui;
  • Badejo;
  • Arabaiano
  • Crustáceos (lagosta, lagostim e o camarão)

Casos da doença da urina preta em Fortaleza

Dois pacientes foram internados em hospitais privados da capital cearense após ingerirem peixe da espécie arabaiana em agosto deste ano.

De acordo com o registro do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs/CE), os pacientes são uma mulher de 57 anos que começou a sentir fortes dores abdominais e na cervical 24 horas após a ingestão do pescado. Ela foi internada no último dia 10 de agosto.

Leia também | Ceará investiga dois casos da doença da urina preta

Os sintomas também foram associados à urina escura. O segundo trata-se de um idoso de 81 anos, que tem a doença de Parkinson, também apresentou dores musculares e nas articulações associadas a urina escura após consumir o mesmo tipo de peixe. Ele foi internado em 10 de agosto. Os pacientes não são da mesma família.

A Secretaria de Saúde informou que os pacientes já receberam alta médica. O idoso teve alta no dia 16 de agosto e a mulher foi liberada no dia seguinte, dia 17.

>>>Acompanhe o GCMAIS no YouTube<<<


Deixe seu comentário