Quem não é beneficiário do Bolsa Família tem direito ao Auxílio Brasil? Entenda proposta | Portal GCMAIS

Jovem Pan News FM 92.9

AO VIVO
NOVO BENEFÍCIO
Quem não é beneficiário do Bolsa Família tem direito ao Auxílio Brasil? Entenda proposta
O novo programa começa a ser pago em novembro, chegando a R$ 400 até o fim deste ano
REDAÇÃO GCMAIS
Postado em 27 de outubro de 2021
Quem não é beneficiário do Bolsa Família tem direito ao Auxílio Brasil? Entenda proposta
Foto: USP Imagens

A partir de novembro, o programa de transferência de renda mais popular do Governo Federal deve passar por diversas mudanças. O Bolsa Família vai se tornar Auxílio Brasil, com um novo valor de pagamento e mais vagas para beneficiários. Porém, a novidade também significa o fim do auxílio emergencial. Por isso, milhares de brasileiros têm dúvidas se, mesmo sem estar inscrito no Bolsa Família, terão direito ao Auxílio Brasil.

Saiba mais | Auxílio Brasil: veja datas, valores, inscrição e consulta do novo Bolsa Família

>>>Siga o GCMAIS no Google Notícias<<<

Entre as mudanças que foram anunciadas pela gestão federal, um dos destaques é o aumento no número de beneficiários. Com isso, o Bolsa Família, que atualmente é entregue a cerca de 14,7 milhões de famílias, deve passar a contemplar 16,9 milhões de pessoas, um aumento de 2 milhões de vagas.

Leia também | Com Auxílio Brasil, cerca de 20 milhões poderão ficar sem auxílio emergencial em novembro

O Auxílio Brasil será pago para quem não é beneficiário do Bolsa Família?

Neste momento de transição entre os dois programas, quem recebe o Bolsa Família será transferido automaticamente para o Auxílio Brasil. Já para quem está fora do programa, a expectativa é de que o aumento no número de vagas consiga contemplar uma parcela da população em situação de vulnerabilidade.

De acordo com o Governo Federal, as novas vagas serão usadas, prioritariamente, para zerar a lista de espera do Bolsa Família.

Leia também | Auxílio Brasil de R$ 400 exige registro no Cadastro Único; saiba como fazer

Como será a inscrição?

Assim como acontece com o Bolsa Família, o novo programa exige que o cidadão esteja cadastrado no Cadastro Único (CadÚnico) do Governo Federal. Para isso, o interessado deve procurar um Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) ou um posto de atendimento do CadÚnico.

Para se inscrever, é preciso que o cidadão apresente uma renda mensal de até meio salário mínimo por pessoa da família ou uma renda mensal familiar total de até três salários mínimos.

Leia também | Beneficiários do Bolsa Família não precisam atualizar cadastro para receber Auxílio Brasil

Cada família precisa determinar um Responsável pela Unidade Familiar, que precisa ter mais de 16 anos e possuir o CPF ou Título de Eleitor. Já os demais membros precisam apresentar pelo menos um dos seguintes documentos:

  • Certidão de Nascimento;
  • Certidão de Casamento;
  • CPF;
  • RG;
  • Carteira de Trabalho;
  • Título de Eleitor;
  • Registro Administrativo de Nascimento Indígena (Rani).

Pessoas sem documentos nem registro civil podem registrar-se no CadÚnico. A inscrição, no entanto, fica incompleta, com o acesso a programas sociais sendo liberado apenas após o fornecimento de toda a documentação necessária.

Leia também | Companhia aérea vai abrir 6 mil novas vagas; veja como se candidatar

>>>Acompanhe o GCMAIS no YouTube<<<


Deixe seu comentário