Fortaleza

Ômicron: Fortaleza já tem transmissão comunitária da nova variante da covid-19

Isso significa que já não é mais possível rastrear qual a origem da infecção, indicando que o vírus circula entre as pessoas, independente de terem viajado ou não para o exterior

Compartilhe:
1 de janeiro de 2022
Assistente de Redação vídeo
Ômicron: Fortaleza já tem transmissão comunitária da nova variante da covid-19
Redução ocorre em meio à aumento de casos da nova variante gera preocupação nas autoridades. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

O boletim epidemiológico da Secretaria Municipal de Saúde, divulgado nesta sexta-feira (31) confirma que já há transmissão comunitária da variante ômicron em Fortaleza. Isso significa que já não é mais possível rastrear qual a origem da infecção, indicando que o vírus circula entre as pessoas, independente de terem viajado ou não para o exterior. A notícia chega num momento em que a Capital vive um quadro de surto de gripe, com UPAs lotadas. 

>>Siga o GCMAIS no Google Notícias<<

O boletim chama à atenção para o número incomum de mutações e a alta transmissibilidade da ômicron. Isso significa que a nova variante deve se tornar dominante no cenário epidemiológico nacional e local nas próximas semanas.

A SMS destaca que o momento quer bastante cuidado e zelo ao cumprimento dos protocolos sanitários, uma vez que que a análise dos cientistas locais já indica um cenário provável de uma nova onda de Covid no Ceará antes do carnaval 2022.

Ômicron e a média móvel de covid-19

Sobre o cenário da pandemia na Capital, o boletim da SMS também destaca que a média móvel de casos de covid-19  estimada na data da publicação do boletim (31 de dezembro) é de 60,7 casos. Um dado que representa o dobro, em relação à média registrada nas duas semanas anteriores.

Leia também | Após surto de covid-19, Anvisa recomenda suspensão da temporada de navios de cruzeiro no Brasil

O boletim destaca que, mesmo com o aumento de casos de covid-19 nas últimas semanas na Capital, o padrão de mortalidade pela doença continua estável, o que indica o fim da segunda onda e o aumento da população vacinada.

O documento pondera que, esse cenário de estabilidade pode ser alterado em virtude do potencial de predominância da ômicron, variante que apresenta uma facilidade maior em escapar dos efeitos da vacina, ainda que esta seja seja considerada menos “agressiva” em seus sintomas.

>>>Acompanhe o GCMAIS no YouTube<<<

No balanço da última semana de 2021, duas mortes por covid-19 ocorreram no período entre os dias 23 e 29 de dezembro, o que representa uma média móvel de 0,3. O boletim observa que esses óbitos ainda são classificados como um evento, relativamente, raro. Isso porque, no consolidado do mês de dezembro, entre os dias 1 e 29, um total de 14 pessoas morreu em decorrência da covid019.