Três anos após ser preso, Zé do Valério vai a julgamento este mês no Ceará | Portal GCMAIS

Jovem Pan News FM 92.9

AO VIVO
CRIME EM PEDRA BRANCA
Três anos após ser preso, Zé do Valério vai a julgamento este mês no Ceará
Ele é suspeito de matar e estuprar uma jovem de vinte anos de idade no município de Pedra Branca
REDAÇÃO GCMAIS
Postado em 10 de maio de 2022
Três anos após ser preso, Zé do Valério vai a julgamento este mês no Ceará
Zé do Valério chegou a ficar foragido por 80 dias até ser capturado. Foto: Reprodução

Depois de três anos, Zé do Valério, que chegou a ser um dos criminosos mais procurados do Ceará, será finalmente julgado no próximo dia 25 de maio. Ele é suspeito de matar e estuprar uma jovem de vinte anos de idade no município de Pedra Branca, no interior cearense.

>>>Siga o GCMAIS no Google Notícias<<<

Em abril de 2019, a jovem Daniele de oliveira, de apenas vinte anos, foi vítima de um crime brutal. Ela foi estuprada e morta. O corpo foi encontrado no dia seguinte. O principal suspeito é José Pereira da Costa, conhecido como Zé do Valério. O homem trabalhou para a família de Daniele tempos antes de cometer o crime. Ele era um funcionário de confiança, que conhecia a rotina da casa.

>>>Acompanhe o GCMAIS no YouTube<<<

Segundo o depoimento de Zé do Valério, ele convidou a jovem para ver um cavalo. Ele sabia que Daniele gostava de animais. Quando o suspeito tirou a vítima de casa, pediu um beijo a ela. Diante da recusa da moça, ele então a ameaçou com uma arma e a conduziu ao local do crime. Depois de estuprar e matar a jovem, Zé do Valério fugiu. E foi então que ele se tornou um dos homens mais procurados do estado.

A caçada por Zé do Valério

A caçada por Zé do Valério durou quase 80 dias. A busca pelo suspeito se tornou ainda mais difícil porque ele era um grande conhecedor das áreas de mata da região. A vegetação alta ajudou para que ele encontrasse locais para se esconder e desse continuidade a sua fuga. Além disso, a polícia também acredita que ele contou com ajuda de moradores pelo caminho. Além da dificuldade do paradeiro do suspeito, havia a dificuldade da identidade do homem. Poucas pessoas sabiam seu nome verdadeiro.

Acompanhe os detalhes na reportagem de Evelyn Ferreira exibida no Jornal da Cidade desta terça-feira (10):


Deixe seu comentário