Endocrinologista explica como evitar o agravamento da obesidade na pandemia | Portal GCMAIS

Jovem Pan News FM 92.9

AO VIVO
BEM-ESTAR
Endocrinologista explica como evitar o agravamento da obesidade na pandemia
Em entrevista exclusiva à rádio Jovem Pan News Fortaleza, médica Rejane Belchior deu dicas como combater a obsesidade
REDAÇÃO GCMAIS
Postado em 18 de junho de 2021
Endocrinologista explica como evitar o agravamento da obesidade na pandemia
Rejane concedeu entrevista nesta sexta-feira (18) na Jovem Pan News Fortaleza. Foto: Reprodução/Youtube

Em tempos de pandemia, mesmo com bares e restaurantes fechados ou funcionando com horários reduzidos, as pessoas, estiveram mais sujeitas a quadros de obesidade, com aumento o consumo de bebidas alcoolicas e ingestão de comidas mais calóricas, sejam elas feitas em casa ou solicitadas por delivery. Como consequência desse cenário, pesquisas na comunidade científica internacional apontam um agravamento da obesidade em todo planeta, desencadeando também outros males, como ansiedade, estresse e sedentarismo, pela diminuição das atividades fora de casa.

>>>Siga o GCMAIS no Google Notícias<<<

Para falar de todos esses assuntos e dar dicas como as pessoas podem lidar com esse problema, o jornal Pan News em Revista – 1ª edição desta sexta-feira (18), da rádio Jovem Pan News Fortaleza, entrevistou a médica endocrinologista Rejane Belchior.

A médica reforçou que cuidados simples podem fazer a diferença, como a importância da alimentação e a prática de exercícios. Mas acima de tudo alertou: é preciso ter desejo de mudança.

“O primeiro passo é a decisão: eu quero emagrecer. O tratamento da obesidade é um tratamento crônico. Não existe uma cura 100%. Inclusive, a própria cirurgia bariátrica, se a pessoa voltar a comer de novo, ela engorda de novo. Então, a pessoa tem que estar disposta a ter uma mudança de estilo de vida e uma mudança crônica. Incialmente, a base de tudo é dieta e exercício físico. E o que emagrece? Comer menos do que você ingere. É balanço energético negativo. Ou ela vai ter que gastar mais energia, fazer mais atividade física, ou ela vai comer menos”, explicou a especialista.

Confira a íntegra da entrevista:

>>Acompanhe o GCMAIS no YouTube<<<


Deixe seu comentário