Fiocruz considera estável casos de síndrome respiratória grave no país | Portal GCMAIS

Jovem Pan News FM 92.9

AO VIVO
SAÚDE
Fiocruz considera estável casos de síndrome respiratória grave no país
Fundação alerta, no entanto, que há sinais de crescimento leve
AGÊNCIA BRASIL
Postado em 14 de outubro de 2021
Fiocruz considera estável casos de síndrome respiratória grave no país
Foto: Peter Ilicciev / Fiocruz

O InfoGripe da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), divulgado hoje (14), aponta que o cenário brasileiro é considerado estável para os casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), mesmo com sinal de crescimento leve nas tendências de longo prazo – últimas seis semanas – e de curto prazo – últimas três semanas.

>>>Siga o GCMAIS no Google Notícias<<<

Leia também | Público acima de 12 anos pode receber a 1ª dose contra Covid sem agendamento, em Fortaleza

O sinal de crescimento leve está presente em todas as faixas etárias de 30 a 69 anos de idade, no entanto, esse índice está fixado em patamar elevado apenas no caso das crianças.

Na população adulta, indivíduos com mais de 20 anos de idade, a covid-19 ainda é predominante nos casos de SRAG.

“Finalmente, em função do avanço da cobertura vacinal de primeira e segunda dose entre adultos e jovens adultos, é de fundamental importância acompanhar a evolução de casos entre a população de crianças e adolescentes, bem como nos mais idosos, para um acompanhamento da tendência e nível de transmissão comunitária”, alertou o pesquisador Marcelo Gomes, coordenador do InfoGripe.

Leia também | Certificado de vacinação está indisponível para quem recebeu vacinas diferentes contra o coronavírus

Síndrome Respiratória Grave nos estados

Segundo a Fiocruz, aumentou o número de estados com sinal de crescimento na tendência de longo prazo, embora na maioria deles o cenário seja de crescimento lento e ainda compatível com oscilação em torno de patamar estável. A única exceção é o Espírito Santo, que mantém crescimento em idosos de 70 anos de idade ou mais desde agosto.

De acordo com o boletim, esse cenário é bem parecido com o início da trajetória do Rio de Janeiro rumo ao forte aumento de casos em idosos entre junho e agosto deste ano. Também é semelhante ao que acontecia no Distrito Federal desde agosto, mas interrompido nesta atualização do informativo.

“Com o lento avanço da dose de reforço em idosos nos estados, o cenário de crescimento de casos graves na população em geral relatado, embora ainda seja lento, pode desencadear o mesmo efeito. Em função disso, é importante reforçar a necessidade de cuidado especial junto à população idosa frente ao avanço nas flexibilizações das medidas de proteção coletiva”, disse Gomes.

>>>Acompanhe o GCMAIS no YouTube<<<


Deixe seu comentário