'+ Variedades

Dragão Fashion: de olho nos destaques

Compartilhe:
18 de maio de 2022
Jonas Viana
Dragão Fashion: de olho nos destaques

Dragão Fashion Brasil 2022 (DFB) começa na próxima semana e já estou aqui, na contagem regressiva. Garimpo para você o que vai acontecer por lá e o que vale a pena você ficar de olho. DFB acontece entre os dias 25 a 28 de maio, em estruturas montadas, no Aterro da Praia de Iracema, em Fortaleza (CE).

Um dos destaques são os desfiles das turmas que vão concorrer ao Concurso dos Novos Talentos, do Dragão Fashion Brasil. Em especial, aos representantes do curso de Design de Moda, da Unifor: Élida Queiroz, Sara Frazão, Yury Duarte, Caroline Moura, Enzo Emmanuel e Lara Paulino (FOTO).

dragão fashion

Representantes do curso de Design de Moda, da Unifor: Élida Queiroz, Sara Frazão, Yury Duarte, Caroline Moura, Enzo Emmanuel e Lara Paulino.

ACOMPANHE ROBERTA NAS REDES SOCIAIS 

https://instagram.com/robertafontellesphilomeno?igshid=YmMyMTA2M2Y=

Eles criaram a coleção “Reexistir da Despedida”, inspirada na cearense Maria da Penha, símbolo da luta de nós, mulheres, contra a violência doméstica. “Como o tema da edição do concurso, deste ano, é Algodão, desenvolvemos uma coleção onde o macramê é o protagonista e os looks são 100% em algodão”, adianta Élida Queiroz, sobre o que esperar das passarelas.

dragão fashion

A história de Maria da Penha será contada através da resistência dos fios de algodão, do macramê

Os alunos criaram uma narrativa linear da história de vida de Maria, fizeram uma analogia com os fios de algodão que formam o macramê. “Os fios são fortes, resistentes e cheios de raízes, assim como ela”, define Élida Queiroz.

LEIA MAIS

https://gcmais.com.br/coluna/mais-variedades/oscar-2022/

https://gcmais.com.br/coluna/mais-variedades/dopamine-dressing/

Conceito

“Me despeço do que me amarra, dos nós que reexistem em meu corpo. Resistem tão fortemente quanto aos fios grossos de algodão que formam o macramê. Fios que me cercam, me limitam, me sufocam.
Despeço-me de toda a alegria, laranja, inocente e infantil, que um dia floresceu sobre meu ser, mas também dou adeus ao vermelho de sangue, que insistia em manchar a cada passo que eu dava.

O escuro, que prende meus passos, que me destrói como uma peste, deles eu me despeço para agora dar lugar para a transmutação. Aos poucos, sem eu perceber, foi me cercando e me dando coragem, me calçou e guiou de branco, aos poucos eu dominei essa transformação. Eu me fiz transformar.
Ali, na inquietude do novo, do medo e da esperança, me fiz Roxo. Cheia de dualidade, mas acima de tudo, cheia de coragem.
Sou Maria da Penha!

Muitas Marias

Mas sou Fátimas, Rosas, Franciscas.
Sou todas as mulheres que sofreram nas mãos de quem nos juraram amor. Me vesti de coragem e lutei.”
Sou a resistência, não parei diante das limitações.
Sem saber, me deram rodas e assim, fui mais longe do que pensaram.
Sou a mulher do fim do mundo.